quarta-feira, 16 de março de 2016

[OPINIÃO DE VISITANTE] - Obra do Frei Gil

 


Hoje, apresentamos o relato da visita de estudo a S. João da Madeira: Evereste, Viarco, Fepsa pela Obra do Frei Gil de Mira.

Na quarta-feira 13 de março, realizámos uma visita de estudo a S. João da Madeira. Partimos no autocarro da Câmara Municipal de Cantanhede que nos foi gentilmente cedido para realizarmos esta rota pelo turismo industrial de S. João da Madeira, onde visitámos três fábricas de produtos bem distintos: calçado, lápis e feltros para chapéus.
Chegados ao Welcome Center do Turismo Industrial, onde fomos muito bem recebidos, a nossa guia Natália distribuiu a cada um uma bata e um walkie-talkie que nos permitiu ouvir sempre toda a informação que nos dava em cada uma das fábricas, apesar do barulho das máquinas. Daí, dirigimo-nos à Evereste que é uma das mais prestigiadas fábricas de calçado masculino, onde vimos a produção de sapatos de alta qualidade, com design inovador e requintado. Ficámos deslumbrados com alguns dos sapatos que vimos, sobretudo os modelos desportivos, com a técnica de produção e as máquinas desta empresa, como por exemplo a máquina que faz o corte das peles. 
De seguida, fomos visitar a Viarco, única fábrica de lápis do país e da Península Ibérica, e a mais pequena do mundo, já com mais de um século de história. Ali, pudemos conhecer em pormenor o processo de produção de lápis de grafite e de cor e ouvir a conversa entusiástica de um dos atuais administradores da empresa que nos transmitiu uma fantástica lição de vida em que referiu a importância de sabermos valorizar o nosso tempo e a nossa vida, de aprendermos com os nossos erros e lutarmos pelos nossos objetivos. 
Depois, fomos almoçar no Parque de Nossa Senhora dos Milagres um saboroso piquenique preparado pelas nossas funcionárias, brincámos e conversámos até à hora de visitarmos a última fábrica, a Fepsa. A Fepsa é a única fábrica do país líder mundial na produção de feltros de alta qualidade para chapéus. Aí, ficámos impressionados por perceber que a matéria-prima desta produção é o pêlo de coelho e outros pêlos, vimos todo o processo de feltragem nas suas várias fases até ao controlo de qualidade e à gomagem final dos chapéus. Estes chapéus correm o mundo, andando na cabeça de cowboys americanos e dos agentes britânicos da Metropolitan Police e de muitas outras pessoas, pois a empresa tem clientes de todos os continentes.
Com este percurso por estas fábricas de produtos tão diferentes, que são exportados para os quatro cantos do mundo onde são apreciados pela sua alta qualidade, pudemos perceber que efetivamente Portugal produz valor! 


por Mira Obra Frei Gil

Sem comentários:

Enviar um comentário